Testemunho de Enzi Maua

Testemunho de Enzi Maua
Editado por Sergio
http://enzimaua.wordpress.com (en idioma portugués)

You may also find this testimony at
http://www.freedrive.com/folder/177784 click on “over 250 TORTURE CASES from EUROPE (Repaired).doc” then on “Dowload”

Chamo-me Enzi Maua. Sou uma mulher do norte de Moçambique, em África, vítima de controlo mental remoto. Não tove a hipótese nem os privilégios para pagar uma longa educação, e por isso só falo Swahili e não conheço outras línguas estrangeiras, excepto o Português básico. Sou emigrante e vivo em Portugal.

Um dia, em Dezembro de 2005, ia num autocarro cheio de turistas, em Lisboa. Quis o destino que, sem eu querer, fosse testemunha de uma tentativa de assalto. Apanhei um carteirista com “a mão na massa”, vasculhando o saco de uma velha senhora, que era turista. Eu gritei-lhe o que avisou também a velha senhora. O carteirista retorquiu que o bandido era EU e ameaçou denunciar-me à polícia. “Faz como entenderes” disse-lhe eu, ao que ele saiu na próxima paragem de autocarros.

Quando cheguei a casa nessa noite não consegui “pregar olho”, pois havia um forte cheiro a gás no meu pequeno estúdio, embora eu não tivesse nem aquecimento a gás nem nenhum forno ligado ao gás de cidade. Fui forçada a abrir a janela em pleno inverno. Tive que me embrulhar em vários cobertores para me resguardar do frio e tentar dormir, o que foi em vão. Não por causa do frio mas porque, a certo momento, fui selváticamente atacada com microondas. Os ataques eram tão inimaginávelmente fortes, que eu gritava de dor. Os vizinhos estavam furiosos e um deles chamou a policia. Quando dois policias chegaram, dei-lhes uma descrição detalhada dos acontecimentos. Infelizmente, apenas mais tarde percebi que as verdades da nossa situação tipo ficção científica não devem ser ditas, com pena de nos tomarem por malucos. Foi exactamente isso que aconteceu, pois no dia seguinte, auando a policia regressou, fui internada à força numa clínica psiquiátrica, e mais tarde manobrada de modo a entrar na pré-reforma. Isto foi o princípio do meu pesadelo, que perdura até o dia de hoje, Fevereiro de 2010.
Gostaria de acrescentar que encontrei outras vítimas deste tipo de abusos na clínica. Aparentemente, também existem muitas vítimas em Portugal, mas a maioria não faz a mínima ideia do que se está a passar com elas.

Alguns detalhes importantes:
O edifício de dois andares onde habito, não está ligado ao gás de cidade, por um lado, e por outro lado, a utilização de botijas de gás já não é permitida há muito tempo.
Como préviamente referido, não funciona nenhum aparelho a gás no meu estúdio.
Se alguns cépticos de má fé ousarem declarar que o gás pode ser proveniente de outro apartamento, então nesse caso, eu não seria a única pessoa a sentir o cheiro do gás mas, lógicamente, também o sentiriam outros residentes, o que não foi o caso.
Finalmente, gostava de adicionar que o cheiro a gás ainda ocorre ocasionalmente, e que os ataques com microondas são menos intensos que os do primeiro dia em 2005, mas que continuam a ocorrer numa base diária.

Os ataques diários tiveram uma grave repercussão na minha saúde. Se a minha saúde continua a deteriorar-se a este ritmo, não terei certamente muito mais anos de vida. Durante estes anos investiguei a minha situação e cheguei à conclusão que tenho implantes electrónicos dentro do meu corpo e os meus sintomas, desde o primeiro dia de ataque, são:
a) Sensação de queimadura à volta da cabeça, garganta e ombros.
b) Sensação de queimadura à volta da área genital, que provocou uma infecção urinária grave.
c) Diminuição progressiva da visão.
d) Diminuição progressiva da força física.
e) Equilíbrio seriamente afectado.
f) Faculdades mentais, tais como memória e concentração estão muito afectadas.
g) Degradação das minhas capacidades sociais (interacção com os outros).
h) Sensação de agulhas quentes na nuca e calor frequente do tipo de energia eléctrica percorrendo a coluna vertebral.

A minha situação pessoal faz parte de um programa tipo Nazi, de ataques a muitos indivíduos por parte de um grupo de criminosos demoníacos que alguns governos se recusam a reconhecer até à data. Os governos mundiais que se recusam a tomar acções contra estes terríveis abusos podem ser de facto governos que são controlados secretamente por grupos financeiros com um poder incrível.
Estes grupos financeiros são de facto os líderes que desenvolvem e organizam a criação de alvos e a tecnologia de abuso e controlo.

Existe a possibilidade de, num futuro não muito longínquo, de esta tecnologia de abuso e controlo ser dirigida a todos os indivíduos à volta do mundo. De notar que os Africanos e pessoas de cor, por esse mundo fora, são em definitivo, os primeiros alvos destes criminosos.
http://images.indymedia.org/imc/newmexico/leonard_g._horowitz_-_emerging_viruses_-_aids___ebola_-_nature__accident_or_intentional.pdf
Comecei a receber muitos panfletos falsos de extrema-direita na minha caixa de correio, apenas uns dias após o caso do autocarro. Os panfletos acabam normalmente com frases como “abaixo os pretos” e “pretos vão para casa”! A princípio não dei muita importância a tudo isto, mas é agora claro como água, que me dizem respeito pessoalmente, pois sou sujeita ao mesmo tipo de humilhações onde quer que esteja.

De cada vez que saio de casa, sou atacada com alusões racistas acerca das minhas origens, e com comentários e troça sobre a minha cor de pele. Quando me apróximo de um grupo de pessoas, sou sistemáticamente bombardeada com frases como “Sabes que não gosto de café com leite!” (aludindo à minha cor de pele), “Lembras-te daquele super bronzeador?”, “Aparentemente, ele continua a sair com uma rapariga de cor, mas que diabo ele vê nessas raparigas?” e outras frases do género.
O conteúdo destas frases não é necessáriamente racista ou calunioso, mas elas têem sempre um enredo que é concebido para humilhar o alvo e que apenas este compreende (teoria de Pavlov). Ninguém à volta nota nada de anormal nestes comentários porque, pura e simplesmente, não foram “sensibilizados” como o alvo foi.
Os perseguidores são a minha sombra nestes últimos cinco anos. Perseguem-me que nem cães de caça, a toda a hora e nunca me dão descanso.
Esta conspiração está muito bem estruturada e envolve muitos membros.
Dado que estamos a lidar com uma estrutura e uma organização poderosas, acima de tudo os seus membros actuam de forma completamente impune, não existe sombra de dúvida que, para atingirem os seus objectivos, usam mecanismos estatais. Em muitos países, existem grupos de pessoas que, com ou sem o consentimento dos governos, utilizam membros da segurança dos estados para os seus actos inconstitucionais contra as populações.
Isto foi denunciado por algumas vítimas, que trouxeram a lume provas, mas, uma vez que envolvem a justiça encobrindo os factos, as queixas são pura e simplesmente arquivadas ou ignoradas. Dadas as características da trama e dos avançados aparelhos científicos usados, não existem dúvidas que existem alguns cientistas, doutores, psiquiatras e psicólogos, que nos usam como cobaias para as suas experiências de controlo da população. Isto é muito sério no que diz respeito à segurança e liberdade dos cidadãos. Vontade própria e liberdade de desenvolvimento da personalidade, são direitos dos cidadãos, e encontram-se em risco. A execução destas experiências em alguns cidadãos, resultará, num futuro não muito distante, numa existência “programada” e dirigida por certos indivíduos sem escrúpulos. É necessário denunciar esta situação publicamente e pressionar os governos dos países envolvidos, de modo a que se obtenham explicações sobre estes factos. É possível que alguns governos não conheçam o que se está a passar e que os factos que nós, as vítimas de “controlo mental”, estamos a expôr, possam ser levados a cabo com o conhecimento destes governos.
É muito importante para a segurança de todos que, um governo informado sobre o que se está a passar permita as torturas em causa como se não soubesse de nada; está a acontecer que, alguns elementos que escapam do controle dos governos brincam aos deuses com as vidas dos cidadãos.

Foi-me recentemente confirmado, que estes “perpetradores-ciêntistas” (médicos investigadores, psiquiatras, psicólogos, neuro-ciêntistas, químicos, etc.) obtém avultadas somas monetárias por cada vítima que é posta “aos seus cuidados”. Pura ganância, é portanto um (apenas um) dos incontáveis motivos que estes sugadores de dinheiro têm para continuar a torturar-nos tanto quanto possível.

É preciso acreditar que a mudança vai chegar!

Enzi Maua
Portugal
enzimaua@gmx.com,

Por favor: façam o vosso melhor para levar à justiça este grupo de criminosos e para apoiar, no mundo inteiro, os direitos humanos universais.

Obrigado ao Sergio, por editar o meu testemunho.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: