Testemunho do Dr. Carlos Sosa M.D

A história do Dr. Carlos Sosa M.D

Tradução de Sergio.

Eis uma breve introdução:

O meu nome é Dr. Carlos Sosa, MD (cirurgião) com morada actual em Medellin, Colômbia, América do Sul.

Durante Maio de 2006, fui forçado a deslocar-me da minha casa devido a sofrermos os sintomas, eu e a minha família, causados por microondas a partir de uma antena microondas / Internet (Wi-Fi) e outros serviços sem fios.

A estrutura estava no nosso edifício há quase três anos e a empresa que a operava aumentava gradualmente a frequência de transmissão. Em Maio/06 começamos com problemas de saúde: dores de cabeça, tonturas, insônias, náuseas, irritabilidade, amnésia ou esquecimento e falta de atenção ou de concentração. Eu não poderia suportar ter por perto da minha casa qualquer outra antena emissora de microondas, ou celular ou Wi-Fi.
Tanto a minha família como eu tivemos que deixar a nossa casa, pois eu verifiquei que a cidade foi inundada por cerca de 4000 antenas, o que significava que dificilmente houvesse um local que não estivesse coberto, onde pudessemos viver. Posso detectar, mesmo longe de campos eletromagnéticos emitidos por estes blocos de antenas, antes de vê-los. Muitas vezes senti como uma queimadura atrás da cabeça (osso occipital). Tivemos de deslocar-nos de apartamento 5 vezes na cidade, porque a situação era a mesma onde quer que fossemos. Não foi possível encontrar um lugar sem problemas físicos ou mentais, sempre que procurámos a paz na cidade.
Eu não poderia procurar novamente, pois este é um drama médico. O consultório é a minha vida e eu não podia funcionar desconcentrado. Eu tive que parar o meu trabalho no hospital, porque este tinha várias antenas de telefones celulares à sua volta. A ansiedade sentida quando eu estava nas emergências por causa da poluição electromagnética era muito alta e sentia dores mesmo ao estacionar o carro. A minha rotina diária era sempre assim. Apesar de procurar contribuir para a saúde local e de tentar as autoridades nacionais e Ministério das Comunicações da Colômbia, ninguém me ajudou.
Enviei meus relatórios escritos, com provas médicas, para a Secretaria da Saúde da cidade. Eles, provavelmente, fartaram-se de rir.
Alguns meses mais tarde, encontrei-me com o Dr. William Rea, que trabalha na Clínica de Saúde Ambiental em Dallas, Texas. Parti imediatamente em busca da sua ajuda. Eu estava consciente de que sofria da Síndrome de Microondas. As alterações na minha fisiologia eram importantes demais e isto levou-me a procurar ajuda em qualquer parte do mundo. Nas universidades da Colômbia, nenhum médico é formado para tratar estesproblemas. Por todo o país é simplesmente ignorado o ensino em pré-graduações ou em graduações de universidades médicas. Para além disso, sendo um médico, estou ciente do DOGMATISMO e da IGNORÂNCIA da profissão médica. Se o tornasse público seria julgado por feitiçaria.
Apesar disso, contactei um prestígiado neurologista que estudou na Grã-Bretanha. Ele mesmo não sabia da existência da”Síndrome de Microondas” na medicina, e tentou rir-se antes de lhe mostrar uma caixa com 2000 publicações médicas de todas as especialidades médicas escritas por médicos de todo o mundo.
Em Dallas conheci pessoas de cinco continentes com a mesma história que eu: tinham sido expostos à radiação de microondas a partir de uma antena que estavam a um, dois, três ou quatro quarteirões de distância. Eu não considerava a possibilidade de sobreviver na medida em que as minhas funções neurológicas foram profundamente afectadas. Houve um momento em que senti que a minha melhor opção seria suicídio e eu pensava nisso de hora a hora.
O Dr. Rea diagnosticou-me uma encefalopatia tóxica, desregulação imunitária e perda de autonomia. Todos estes diagnósticos são uma consequência directa de radiações de microondas. Havia já muitos anos que chorava continuamente. Mantive-me numa sala de recuperação da clínica para um tratamento que demorou meia-hora para eliminar os traços das lágrimas e dos olhos vermelhos. Eu sabia que a minha situação era grave. Basicamente, toda a minha vida, a minha profissão e a minha integridade neurológica estavam em jogo. O Dr. Rea tem me ensinado muito. Ficar-lhe-ei eternamente grato. Apesar de ele querer que eu ficasse mais dois ou três meses, a minha situação financeira não o permitiu.
No primeiro dia, tive que gastar quase todo o meu dinheiro em testes laboratoriais. Os resultados destes testes tinham toda uma gama de possibilidades desde inconclusivos, a recuperação parcial, a sintomas funcionais, e a uma cura. Voltei para a Colômbia em busca de um lugar livre de microondas, na selva. Visitei dezenas de estados e de cidades por todo o país.
A nação está totalmente contaminada por radiação electromagnética, e a Colômbia é pior do que qualquer outra cidade nos Estados Unidos ou Europa. Consegui finalmente encontrar um lugar nas montanhas dos Andes. Era um belo local, com um riacho, um pequeno bosque, uma casa com 200 anos, sem electricidade e com ar puro. Os interessados escrevam por favor para karlkropotkin@yahoo.com. Embora eu pudesse detectar campos electromagnéticos provenientes (provavelmente) de radares, houve uma grande redução nos sintomas, tornando possível para começar a recuperar. Fiquei ali 5 meses, mas tive de voltar para a cidade porque estava a começar a sentir as radiações de microondas provenientes dos aviões que cruzavam os céus.
Infelizmente, havia uma rota internacional de navegação aérea e tive que voltar para a cidade, dolorosamente. Foi o Dr. George Carlo, chefe do serviço de epidemiologia da CTIA, dos Estados Unidos, que denunciou publicamente as provas de que tinha referências sobre danos genéticos, linfomas, ruptura da barreira do sangue do cérebro, a presença de micro núcleos, etc..
Os critérios utilizados na medicina e especificamente em epidemiologia para estabelecer uma relação causal entre um agente químico ou físico ou bacteriano e a doença, foram preenchidas em menos de dez anos, diz o Dr. Carlo.
Estes critérios, conhecidos como os postulados de Koch-Henle, provaram que as radiações de microondas de telemóveis afectam a saúde humana de modo catastrófico. Nenhum governo mundial tem tido isto em conta. Apenas através de litígio as mudanças se efectuam.
O meu caso, como o de outros médicos que estejam ou tenham estado sensíveis à electrónica, é apenas uma versão moderna da infâmia. Entre estes está o caso do ex-director da Organização Mundial de Saúde(OMS) e do primeiro-ministro norueguês. O ex-director Gro Harlem Brundtland proibiu jornalistas de utilizarem telemóveis no seu escritório, devido à sua EHS (hipersensibilidade electromagnética). A notícia foi tornada pública na Noruega e na Suécia, e alguns meses mais tarde, teve de deixar a liderança da Organização Mundial de Saúde.
Muitos apontam para Michael Repacholi (chefe ambiental OMS) e da industria de telemóveis como os autores deste proscrição. O Dr. Brundtland foi paciente em Dallas. Os Dr. Arthur Firstenberg e a Dra. Lisa Nagy tornaram-se na ponta do iceberg. Não há dúvida: a Síndrome do Microondas não é apenas a maior experiência na história da humanidade, mas é também uma das maiores epidemias registados na Medicina (depois da peste negra, gripe, malária, SIDA , etc.).
O Departamento de Saúde do estado da Califórnia estima que o número total de pessoas afectadas nos Estados Unidos por EHS ou a Síndrome de Microondas ultrapassa um milhão. Em nenhum livro ou revista no mundo da medicina, independentemente da genética, fisiologia, histologia, biologia molecular, bioquímica, microbiologia, medicina interna, pediatria, cirurgia, neurologia, cardiologia, ou qualquer outro texto, diz que a célula humana é projectada para resistir dia e noite a radiações de microondas ao longo dos anos.
Esta é uma criação, uma invenção ou uma mentira sobre a indústria de telemóveis, que foi criada por engenheiros, físicos, electricistas e muitas vezes por diplomados que não tinham credenciais nem nenhum conhecimento de medicina. É por isso que muitos de nós estamos realmente doentes ou até mesmo a morrer. Enquanto a indústria de telemóveis tiver puder sobre a Organização Mundial de Saúde, o crime continuará.
A credibilidade da OMS tem um buraco que se estende para além da Via-Láctea. O conflito ético é óbvio. A epidemia da Síndrome de Microondas está a atingir níveis de genocídio. E Michael Repacholi é internacionalmente responsável por crimes contra a humanidade.
O conhecimento desta situação, existem desde os anos 20. Originalmente descrito na antiga União Soviética durante os anos 40 e 50, a Síndrome do Microondas, também chamada de Doença de Hipersensibilidade Electromagnética, doenças provocadas por microondas, ondas de rádio, de radar, sensibilidade a radiações eléctronicas
, antenas de telefone móvel e Wi-Fi, constituem crime contra a humanidade em nome da indústria internacional de telemóveis.
Relatórios médicos da União Soviética já descreviam os danos com campos electromagnéticos nocivos sobre os seres humanos na década de 20.
O bombardeamento de microondas a cerca de 80-90% da população humana é, de acordo com o Dr. Leif Salford, do departamento de neurocirurgia da Universidade de Lund, na Suécia, a maior experiência conduzida contra a humanidade e os códigos de ética têm sido violados pela Organização Mundial de Saúde controlada pela indústria de telemóveis desde 1996. A Síndrome de Microondas ou hipersensibilidade electromagnética, é um acto criminoso que viola a ética médica, o Código de Nuremberga, a declaração de Helsínquia, os direitos humanos e da humanidade como espécie. É um holocausto internacional responsável pela morte de milhares de pessoas ao redor do mundo.
Considerando a literatura da antiga União Soviética, da Polónia e da Checoslováquia, o número total de referências médicas internacionais em relação a este problema é imenso e começou a ser publicado há mais de 80 anos.
O problema não é novo.
Para além disso, o Governo britânico conhecia os sintomas dos operadores de antenas de radar durante a segunda guerra mundial: os mesmos sintomas da exposição às radiações de microondas a partir de antenas de telemóveis, que podem causar a morte. Nem um único governo no mundo se preocupa dado o envolvimento de grandes somas de dinheiro.
A Organização Mundial de Saúde, há anos uma muito séria e respeitável instituição, foi adquirida em 1996 pelo ex-director da ICNIRP (Comissão Internacional para Protecção contra Radiações Não Ionizantes), Michael Repacholi. A ICNIRP é uma organização privada que foi formada para proteger os interesses privados americanos e europeus da indústria de telefonia móvel. Em paralelo, telefones celulares representam um problema igual a traficantes de cocaína, pois sempre haverá funcionários corruptos que estão dispostos a vender a sua consciência por dinheiro e a fechar os olhos. Há agora uma campanha internacional para submeter Michael Repacholi à justiça internacional por crimes contra a humanidade. Pessoalmente, considero Michael Repacholi responsável pela minha EHS. Esta pessoa deve ser sujeita a procedimento penal para as suas acções contra milhões de pessoas em todos os cinco continentes. A OMS que conhecia os efeitos nocivos das décadas antes da introdução da telefonia móvel. Repacholi não se importou. Em 1973, a OMS coordenou uma conferência internacional em Varsóvia, sob os auspícios do governo da Polónia e da FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos. Os resultados desta conferência foram publicados num
livro intitulado: “Efeitos biológicos e riscos sanitários da radiação de microondas”. Eu sei que Michael Repacholi solicitou que este livro fosse queimado. Repacholi recentemente revelou que até metade dos fundos utilizados no projecto EMF da Organização Mundial da Saúde provinham da indústria de telefonia móvel. O conflito de interesses é como ter a pesquisa da indústria do tabaco negar que os cigarros causam cancro de pulmão, boca, laringe, faringe, cancro, doença coronária, doença vascular periférica, a doença pulmonar obstrutiva crónica, enfarte do miocárdio, tromboses, etc. A Síndrome do Microondas foi inicialmente descrita por investigadores médicos Soviéticos e é constituída por: -Síndrome Neurasténico: fadiga, irritabilidade, náuseas, dores de cabeça, anorexia, depressão, tonturas, -Síndrome Cardiovascular: bradicardia, taquicardia, hipertensão ou baixa
pressão arterial, -Síndrome Diencefálico: problemas de memória, dificuldades de concentração, insónia, a exposição a microondas é associada a lesões de pele, leucemia, doença de Parkinson, doença de Alzheimer, a desordem de défice de atenção -hiperactividade (epidémica), tumores cerebrais (epidémica), alterações no electro-encefalograma (EEG), arritmias cardíacas, problemas da reprodução, alergias, hipotiroidismo, sinusite, e síndrome de fadiga crónica, etc Por ser do conhecimento público desde os anos 20 que as microondas são bio-activos, advogados como Peter Angelos dos E.U.A., estão a fazer fortunas em litígios (semelhantes às feitas contra a indústria do tabaco) contra a indústria de telemóveis. Não apenas isso, a Motorola mentiu abertamente ao governo federal e às suas agências quando milhares de estudos provaram que as microondas não causavam qualquer dano.
No ano passado, o sistema judicial dos Estados Unidos determinou que o tumor cerebral
sofrido pela paciente Sharesa Price foi uma consequência directa da utilização de telefones celulares. Repacholi é totalmente omisso quanto a esta medida, bem como a indústria de telefonia móvel e Organização Mundial de Saúde. Devido a esta grave crise que quase me custou a vida, eu comecei a investigar uma possível cura para a Síndrome da EHS ou Síndrome de Microondas. Desenvolvi um método que inclui trantamentos da ex-União Soviética e da medicina moderna.
Criei o meu próprio site com a esperança de ajudar as pessoas do mundo a superar esta tragédia (www.thesanctuarydrsosa.com). Actualmente vivo fora da cidade num lugar com um baixíssimo nível de radiação de microondas – “um santuário”. Colômbia tem tido alguns dos casos mais impressionantes do mundo, um deles estava em Valledupar, no norte do país. Milhares de pessoas nas imediações de El Amparo estão doentes por causa de duas antenas de telemóvel gigantes. 250 casas estão à venda porque as pessoas que sofrem com a síndrome
de microondas as deixou. O governo diz que é pura coincidência. Eu quero dedicar a minha vida para ajudar outros pacientes como eu, estão a enfrentar uma situação vergonhosa causada por ganância humana. Tenho toneladas de informação médica que quero compartilhar com todos.
Não hesite em contactar-me. Há esperança que a medicina, na verdade, possa oferecer opções de tratamento. Sugiro os seguintes links que podem ajudar a todos os que estão numa situação desesperada como eu estive:
1. http://next-up.org 2. http://EMF-Health.com 3. http://c-a-r-e.org 4. http://earthpulse.net 5. http://buergerwelle.com 6. http://emfacts.com (Dr. Don Maisch) 7. http://emrpolicy.org 8. http://mast-victims.org (claro!) 9. http://www.junipercivic.com/latestNewsArticle.asp?nid=41 (extensões da epidemia) 10. Dr. Carlos Sosa, M.D. Medellin, Colômbia América do Sul: karlkropotkin@yahoo.com ÉSTERES Paul Raymond Doyon (TESOL), 11 mA http://emf-portal.de. http://safewireless.org 12. http://laleva.org 13. http://powerwatch.org 14.
http://hese-project.org 15. http://tetrawatch.net 16. http://earthlink.net 17. http://www.feb.se/EMFguru/Research/research-contents.html 18. http://www.feb.se/index.htm 19. http://www.emfguru.org/ 20. http://members.aol.com/gotemf/emf/ 21. http://wave-guide.org 22. http://www.electrosensitivity.org.uk/ 23. http://www.ahappyhabitat.com/ 24. http://www.textually.org 25. http://www.es-uk.info/ 26. http://www.radiationresearch.org/ 27. http://www.robindestoits.com/ 28. http://www.bioinitiative.org/report/index.htm 29. http://www.wifi.blog4ever.com/blog/lirarticle-18457-53198.html 30. http://www.criirem.org/ 31. http://www.teslabel.be/ 32. http://www.electrosmog.grappe.be/ 33. http://www.alerte.ch/ 34. http:/www.microwavenews.com/ 35. http://www.avaate.org/ 36. http://www.elettrosensibili.it/ 37. http://www.el-allergi.dk/

Dr. Carlos Sosa, M.D. Medellin, Colombia South America karlkropotkin@yahoo.com
———————————————————-

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: